26 maio, 2009

Jécatown: Em meio a cidades mortas-vivas

(com os devidos cumprimentos a Aluísio de Azevedo e J. G. Ballard)

Taubaté Shopping, sábado à noite, concentração de população de classe média-baixa em ambiente estimulante ao consumo. Elevadíssima taxa de automóveis por habitante registrada em lócus de ruas estreitas. Afluência constante de produtos da indústria cultural de qualidade duvidosa nos meios de comunicação alimentando a mente dos cidadãos. Pavimentação, construções e encanamentos sobre terrenos brejeiros. Vira-latas e alcoólatras perambulando na madrugada. Alto índice de jovens viciados em crack em todas as camadas sociais. Bezerros lactantes separados da mãe correndo ao longo das cercas na estrada de chão. Prostituição homossexual em localidades centrais. Esmola como prática comum e instituída. Roubo de dinheiro público sistematizado em obras e projetos. Ladrões de galinha e tênis importado, psicopatas e criminosos de maior status superlotando os presídios. Orçamento anual da prefeitura em torno de 780 milhões. Espessas camadas de lixo psíquico e material. Fábricas e zona rural com produção predatória cercando o acúmulo suburbano. Helicópteros em exercício militar cortando os céus. Desperdício agrário, humano e monetário. Criação de gado para o abate em amplos terrenos. Larvas de besouro em caixas escuras utilizadas para a alimentação de peixes e pássaros. Apatia letárgica crônica generalizada.

Estufa jéca: ninguém entra, ninguém sai.

3 comentários:

victor disse...

cúpula do trovão é ótima.

No Star disse...

ninguém entra, ninguém sai.

Vinny Paul disse...

bom d+