04 dezembro, 2005

kick out the jams!

Sábado, 3 de dezembro de 2005. Apenas um sábado a mais na vida de milhões de brasileiros, mas um dia único para os nostálgicos roqueiros da geração grunge.
São Paulo, Brasil. Estádio do Pacaembu. Superlotação. Na platéia, os mais variados tipos: fanáticos, frenéticas, posers, popers, lóvers, rockers e vendedores de sanduíche (aquele dogão sem-vergonha vendido a três reais e ainda assim provado por muita gente). Uma multidão sem tamanho - típica de um grande festival. Mas dessa vez a atração era uma só: Pearl Jam, a banda que conquistou o resto mundo no começo dos anos noventa e só conseguiu chegar agora nesse pobre país tão rico em cores e flores exóticas. Milhares de cabeças e as atencões todas voltadas para um só lugar: o palco. O show estranhamente marcado para as 19:30h começaria pontualmente, talvez para podermos estranhar um pouco mais. Mas esperem, já ía me esquecendo... havia uma outra banda de rock marcada para abrir o espetáculo às 18:30h, uns caras esquisitos que gostam de fazer barulho - como é mesmo o nome deles?... ah, lembrei. Tratava-se de um tal Mudhoney. É, isso mesmo. Subiram no palco um pouco antes do previsto, para delírio de poucos e descarrego de todos os eufóricos ali presentes. Silenciosamente entraram em cena com "When Tomorrow Hits" - criando aquele clima de vai-não-vai pra decididamente ir com tudo no final -, quebrando o gelo para sair de fininho após cinco ou seis fast-songs. Curto e grosso. A galera do Alive (quase todos talvez) respeitosamente vibrou após a apresentação gritando: "perdjam! perdjam!", coisa de alto nível. Tudo volta quase ao normal e, enquanto não começa a atração principal, eu volto algumas horas para lhes contar a minha solitária aventura de ingresso no recinto.
Sábado, 3 de dezembro de 2005. Lá estava eu, lá pela uma e pouco da tarde, chegando com a galera de Taubatexas na fila do show do Pir Djan. Àquela altura já dava a impressão de que só conseguiríamos entrar para o show efetivamente umas 5 da tarde, mas foi diferente. A fila realmente andou rápido, e eram quase três horas quando eu levei o susto. Cheguei feliz e contente na entrada principal pra pista com meu ingresso na mão e na hora em que apresentei-o ao fiscal (aquele q passa uma luzinha por cima da etiqueta), não botei fé: ele me devolveu o papel já destacado e disse "é falso", com toda a naturalidade do mundo. Mudei bruscamente meu humor naquele "como assim?" q não surtiu efeito algum e fui rapidamente descartado para fora do estádio. Confuso, atordoado e desacreditado, ía me locomovendo lentamente quando um PM (Porco Machão) me repeliu com "anda!anda!sai daqui!" ou algo do tipo, como se eu tivesse cometido um pequeno crime quase perdoável (só faltou dizer "vou contar até 3").
Desiludido, segui meu descaminho perdido entre nuvens de pensamentos e esperanças destroçadas. Cheguei até a van q havia me trazido mas não achei o motorista. Perguntei pro tiozinho do hot-dog como fazia para chegar até a estação de metrô mais perto e ele me alertou q seria loucura ir andando até alguma, eu deveria pegar um onibus. Mas aí quando eu contei o havia se passado comigo instantes atrás ele fez questão de me encorajar a voltar pra frente do estádio e tentar vender o falso ingresso para algum otário, assim pelo menos eu não ficava sem grana. Foi engraçado o jeito como ele me abordou: "bom, um tempo atrás eu pensaria assim - melhor alguém q não seja eu se dar mal no meu lugar. Hoje eu não penso mais assim, mas..."
E lá fui eu tentar vender um ingresso falso e partido ao meio. Na tristeza q eu tava, nem senti muita firmeza no ato, principalmente pq não queria fazer mal a outra pessoa. Mas fato é q logo de cara um maluco me viu com o bilhete na mão e chegou me apavorando: "deixa eu ver isso aqui" - pegando o papel q eu já fui tomando de volta e - "calmaí doido, tem um cara ali querendo trocar por pista o dele q é arquibancada" - trouxe um cara q estava desesperado para entrar na pista. O cara meio boy chegou e eu mostrei o ingresso expilcando q era meia entrada e eu não tinha carteirinha, por isso o cara destacou mas não me deixou entrar. Ele me perguntou se eu trocava "pau-a-pau" mas eu dei uma risadinha dizendo: "mais cinquenta, né?" - e a troca foi feita. O maluco q me ajudou acabou ficando com a grana e fui correndo pra entrar pelo portão 3 na arquibancada amarela. Subi a escada, dei um rolê pela arquibancada e, não vendo ninguém conhecido e considerando a distância do palco pensei: "tenho q dar um jeito de ir pra pista". Visualizei a área, analisei a situação e, quando vi q dava pra pular pela lateral da escadaria, bateu aquele cagaço. Resolvi tentar pacificamente primeiro: fui até o carinha q tomava conta de uma passagem, inventei q minha mina tava na pista e contei a estória da troca de ingressos e bla, bla, bla... mas não rolava, se dependesse dele tudo bem, mas não dependia. Subi novamente as escadas e fiquei hesitando diante da possibilidade de fuga até aparecer um tiozinho para me fazer sentar "um pouco mais pra lá". Fiquei sentado observando o movimento da segurança local até q os meganhas sumiram e eu pensei: "é agora!". Segurei o estômago com as mãos e deslizei por entre os canos do corrimão. Só ouvi o guardinha dizer "ei!" e já caí na fila do baheiro feminino pra sair correndo q nem loco sem olhar pra trás. Me enfiei no meio da multidão e fiquei sozinho esperando o Pearl Jam, quer dizer, o Mudhoney. Encontrei uns loco de BH q curtiam mudhoney e curti o show com eles. Bom, voltemos ao PJ.
Abriram com Brakerfall, a primeira do Binaural. Classse A. Seguiu-se Corduroy, depois mais uma porrada de musicas. Deixando de lado as obviedades, teve Lukin, Present tense, I believe in miracles (seguindo o hey ho, let's go!), You've got to hide your love away ( Vedder, violão e gaita), Whipping, Crazy Mary (com um puta solo de teclado do véinho loco) e pra finalizar Rockin' in the free world. As obviedades foram euforicamente acompanhadas pelo público q ficou parado do meu lado durante as menos famosas (ou melhor, batendo palminha sem conseguir entrar no ritmo). Black deve ter ficado uns 15 minutos só no "tchururú-tchu-tchururú". Alive foi a penúltima, eu já tava achando q ia terminar e fiquei aliviado com a outra. Ah, e teve aquela hora q subiram dois caras do tal Mudhoney no palco... tocaram um punk rock antigo, comé que era mesmo?... Ah, é, acho q tinha um q refrão dizia algo do tipo... We gotta kick 'em out!

2 comentários:

vinny paul disse...

Du caralho Burns!!!!!!!! Du Caralho mesmo Muleke!!!!!! Não tive coragem de pagar 70 reais pra ver o tal PirJam mas pagaria o dobro pra ver a cara de otário do maluko q trocou o ingresso!!!! Du caralho!!!!!

Sosa disse...

hahahahaha!
Muito bom! Agota toda vez q for fazer alguem de trouxa vou pedir mais cinquentinha...!

[]'s!